História dos Penteados: A Década de 1940

janeiro 31, 2022
Eu fico bastante impressionada e feliz em saber o quanto vocês gostam da década de 1940 (assim como eu). Pra dar sorte, hoje vamos iniciar um novo quadro. Um quadro pra falar das transformação dos penteados ao longo da história. Como a história é grande, iniciemos com o século 20.

Veronica Lake penteando o cabelo. 

Mais do que penteados, quase acessórios

Quando o vestuário de guerra foi estabelecido, por volta de 1941(clique aqui para ler sobre o tema), as roupas se tornaram muito mais simples. As pregas, aviamentos e botões eram contados, e a cartela de cores em muitos países foi bastante limitada por falta de pigmentos.

Nós, aqui em 2022 olhamos pra trás e achamos tudo muito lindo e elegante, mas não era bem assim que as mulheres da década de 40 enxergavam a estética do momento. Imagine que você segue um estilo, e do dia pra noite o governo diz o que você pode ou não usar. A sensação geral era de frustração e de completa falta de liberdade. Diante disso, a criatividade precisou ser redobrada. 


As gambiarras fashions, se é que podemos chamá-las assim, foram muitas nos anos 40. A mais conhecida delas foi simular meias com riscas e pinturas falsas nas pernas. Todavia, o que muita gente deixa passar é que os cabelos nos anos 40 foram uma espécie de gambiarra também. Como assim? É bem simples: se não tinha abundância de enfeites e as roupas eram muito básicas, restou caprichar na maquiagem e no penteado. Como a indústria de cosméticos deu uma freada na guerra, pois diversas marcas ficaram com medo de entrar em falência,  o cabelo ganhou o papel protagonista. 

Se compararmos os penteados de 1940 com os de 1920 e 1930, poderemos constatar facilmente que os penteados em 40 foram bem mais complexos e estilizados. 


O corte e o comprimento do cabelo nos anos 1940

Não gosto de generalizações, mas é impossível não generalizar quando falamos dos aspectos gerais de uma época. Sempre vai existir alguém que não seguiu as tendências do momento e foi um ponto fora da curva. É aquele velho ditado: toda regra tem exceção, masss exceção não é regra. 

Não podemos falar que não existiu cabelo curto nos anos 40, entretanto, a maioria das mulheres mantiveram o comprimento na altura dos ombros. E o corte era reto. Sem nenhum tipo de degradê ou firula.

Fotografia datada de 1943. Reprodução.

É interessante notar como os anos 40 retomaram a tradição ocidental do cabelo comprido. Tradição essa que caiu por terra nos anos 20 com a popularização da estética melindrosa, e se manteve nos anos 30 com os cabelos curtinhos e ondulados. 

Havia um grande temor entre os setores conservadores dos anos 40 de que o vestuário com carácteristicas militares "masculinizasse" as mulheres. E o crescente número de mulheres no mercado de trabalho - muitas delas trabalhando diretamente no esforço de guerra, elevaram esse temor. Era preciso fazer com que as mulheres ainda se "sentissem mulheres". E a estratégica adotada foi o incentivo ao uso de maquiagem e ao uso do cabelo grande como símbolo da "feminilidade". 


O Cabelo Ondulado das Estrelas de Cinema 

O ondulado em 1940 foi bem mais espassado que os ondulados usados nas décadas de 1920 e 1930. O efeito era por tanto mais natural. 

Estrelas como Rita Hayworth e Veronica Lake foram influências máximas nesse sentido. O cabelo flamejante de Hayworth, no filme colorido Modelos (1944), despertou um grande desejo entre as mulheres de pintar o cabelo de ruivo. E o ruivo se tornou uma marca tão forte na figura de Rita, que os fãs ficaram extremamente decepcionados quando ela apareceu platinada no film-noir A Dama de Xangai (1947). 

À esquerda Veronica Lake e à direita Rita Hayworth.

Já Veronica Lake, popularizou o penteado peek-a-boo, estilo caracterizado pelo ondulado suave com uma mecha à frente do rosto. A fama foi gigante ao ponto de operárias irem trabalhar com esse penteado. Mas o resultado foi desastroso: algumas trabalhadoras ficaram com fios presos nas máquinas. E foi por isso que o departamento de publicidade de guerra dos Estados Unidos "convidou" Lake para estrelar um curta educativo onde ela aparecia com o cabelo preso, e os malefícios de se trabalhar com o cabelo solto eram citados.



Como as Mulheres Ondulavam o Cabelo em 1940?

Talvez você fique chocado, mas sim, em 1940 já existia aparelhos muito parecidos ao nosso babyliss. Pra falar a verdade, até no século 18 já temos registros de aparatos utilizados única e exclusivamente com o intuito de formar cachos e ondas. 

Exemplo de um babyliss dos anos 40.

Havia dois tipos de "babyliss nos anos 40. O primeiro era mais simples e barato. Consistia em uma uma espécie de "tesoura" com as pontas em forma de cilindro, e ele precisava ser aquecido antes de sua utilização. Por essa descrição, podemos concluir que ele não era lá muito prático. O segundo modelo, por sua vez, era elétrico, ligava na tomada e esse sim era bem usável. E mais caro também. 

Agora vamos falar dos métodos caseiros de ondulação. Vou citar os principais: 

Pin-curl: técnica que usava grampos. Podia ser feito com o cabelo molhado ou seco. O grampo era colocado em sentido horário (pra dentro) ou anti-horário (pra fora). 

Técnica do pin-curl. Reprodução.

Rag-curls: nessa outra técnica, as mulheres usavam tiras de tecido (geralmente tecido velho, sem uso mesmo) ou meias. Em inglês "Rag" significa farrapo, então faz todo o sentido. 

Exemplo de Rag curls. Reprodução.

Papelote: o nome já é bem sugestivo. As ondas eram formadas com o auxílio de tiras de papel. 


As Franjas Falsas

Franjas naturais não foram muito usadas nessa época, o comum mesmo era usar bumper bangs, franjas falsas feitas com o próprio cabelo. 

Exemplo de bumper bangs. Reprodução.

Pra fazer a bumper bang bastava pegar uma quantidade de mecha da frente, enrolar tudo pra dentro e prender com grampinhos. Falando assim talvez vocês não entendam, mas as imagens valem mais do que mil palavras. Era recorrente a utilização de espumas para ajudar a estruturar a franja por dentro, e ficava um efeito bem mais dramático. 
 

Poodle Hair 

Ficou conhecido como o penteado da atriz Betty Grable, mas precisamos fazer uma menção honrosa e citar Lucille Ball, igualmente adepta do estilo. 

À esquerda Betty Grable e à direita Lucille Ball.

O poodle hair tem esse nome porque lembrava ao pelo do cachorro da raça poodle. É estranho eu sei, mas em 1940 era assim, as pessoas davam nomes bem esquisitinhos para os penteados.

Apesar de ser mais comum o poodle hair na versão coque, você poderá encontrá-lo no cabelo solto também. Nesse caso, o montinho vai estar concentrado na parte da frente da cabeça. 


Pompadour 

Foi comum no século 18 e voltou nos anos 40. Basicamente era o cabelo bemmmm e alto formando uma espécie de morro. Comum entre as pachucas. 

Exemplos de Pompadour. Reprodução.

Victory Rolls

Clássico dos clássicos, os "rolos da vitória" tinham esse nome em homenagem ao movimento espiralado que os aviões de guerra faziam no ar. 

Hoje, há uma crença de que o rolo precisa ser bem grandão, mas historicamente isso não faz sentido porque muitos rolinhos pequenos foram usados nos anos 40 e eles eram chamados de Victory Rolls também.

Exemplos de Victory Rolls. Reprodução. 

Bom, espero que tenham gostado do apanhado. No vídeo, comentei outras curiosidades que valem a pena ser apreciadas. Não esqueça de se inscrever no canal! Até a próxima!


Texto escrito por Gabriela Lira. Caso use o texto como referência, por favor dê os créditos ao blog. Plágio é crime e está sujeito à pena!

Quer que eu escreva pra você? Entre em contato através do Instagram @blondevennus. 

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.