Moda nos Anos 40 - O Vestuário Utilitário da Segunda Guerra Mundial

setembro 26, 2020
Nos primeiros anos da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), a principal inimiga da Alemanha Nazista foi a Inglaterra. 
Nessa época, os ingleses ainda tinham colônias e dependiam delas para obter algumas matérias-primas. 

Moda na Década de 1940
Foto: Colagem feita pela autora do blog.

Sabendo disso, os nazistas fizeram o possível e o impossível para dificultar o transporte de cargas dessas colônias para o Reino Unido. Além disso, Londres se tornou o principal alvo de ataque e constantemente era bombardeada.

A guerra, que até então parecia ser de curta duração, se estendeu, e com ela vieram as dificuldades. Não demorou muito para que a indústria têxtil sentisse os efeitos.

"Na Grã-Bretanha, o quadro era às vezes igualmente precário, pois o país esteve não só envolvido no conflito desde o início - diferentemente dos Estados Unidos, que entraram no final de 1941 -, como o fato de ser uma ilha implicava uma dependência enorme das importações. Com o início da batalha pelo Atlântico, a Marinha mercante viu-se em situações cada vez mais perigosas" [1] 

Moda Nos Anos 40
Foto: Reprodução. Exemplo de vestuário utilitário.

Com os insumos reduzidos, o governo inglês precisou elaborar um plano de produção de roupas que economizasse ao máximo materiais na confecção das peças. E foi nessa época que nasceu o sistema de roupa utilitária.

O Que São Roupas Utilitárias?

Roupa utilitária é toda aquela em que sua função é mais importante do que a parte estética, isto é, são roupas feitas para um propósito e esse propósito é mais relevante do que a roupa ser considerada feia ou bonita. Exemplos de vestuário utilitário: as roupas brancas usadas por profissionais da área da Saúde e os uniformes de proteção.

Foto: Reprodução. Mulheres caminhando sob os escombros da cidade de Londres.

O Sistema de Roupa Utilitária nos Anos 40

O sistema de vestuário utilitário foi estabelecido em 1942 e o racionamento de roupas em 1941. As roupas eram produzidas seguindo um rigoroso método de fabricação. Como a intenção era economizar insumos, a modelagem do período de guerra se tornou mais justa ao corpo. Bainhas foram encurtadas e nada poderia sobrar. 


Bolsos, aviamentos, botões, tudo o que houvesse na roupa deveria ser funcional, isso fez com que bordados, aplicações e outros enfeites nem fossem cogitados no vestuário utilitário.

Foto: Reprodução. Vestuário Utilitário.

As roupas utilitárias eram austeras e inicialmente causaram um grande incômodo, especialmente entre as mulheres, que estavam acostumadas com ornamentações e achavam a nova moda desinteressante.

Para contornar a insatisfação do povo, o governo da Inglaterra pediu à Associação de Designers de Londres que desenvolvesse coleções dentro dos novos parâmetros de produção, mas que fossem roupas esteticamente agradáveis.

Foto: Reprodução.

O governo também entrou em contato com a revista Vogue para que esta ussase seu grande poder de influência à favor das roupas utilitárias.

O resultado foi bastante satisfatório.
Com as peças feitas pelos designers de Londres e belas fotografias em revistas, as roupas funcionais passaram a ter maior aceitação.

História da Moda Anos 40
Foto: Reprodução.

Toda roupa produzida sob o sistema utilitário recebia uma etiqueta escrita CC41, que significava Controlled Commodity, em português, Mercadoria Controlada.


Racionamento de Roupas na Segunda Guerra Mundial 

Alemanha e Inglaterra foram países onde ocorreu o racionamento de roupas. Como isso funcionou na Inglaterra? Estima-se que cada cidadão do Reino Unido recebeu no início da guerra 60 cupons ao ano. Esses cupons combinados com dinheiro poderiam ser usados para comprar roupas. Sem esses cupons era impossível adquirir algo.

Foto: Reprodução.

Para facilitar a compra, as roupas utilitárias não receberam impostos, portanto eram mais baratas. O preço das roupas era estabelecido de acordo com o seu segmento. Para facilitar a compreensão do novo esquema de compras de roupas, o governo inglês desenvolveu uma cartilha com o preço de todas as categorias de vestuário.  

Foto: Família Real britânica nos anos 40.

Itens de luxo, tais como casacos de pelo, vestidos de renda, jóias e broches, recebiam altas taxações.

A então adolescente, Isabel, hoje Rainha Elizabeth II e sua irmã, a Princesa Margarida, seguiram a moda utilitária. A Família Real, era uma das poucas no país que poderiam continuar se vestindo como antes da guerra, mas optaram por seguir o estilo do povo.

Foto: As jovens Isabel e Margarida, princesas da Grã-Bretanha.

Mas se alguns aceitaram resilientes ter um guarda-roupa modesto, outros fizeram de tudo para manter o antigo padrão. A venda ilegal de cupons surgiu. Pessoas extremamente pobres, vendiam seus cupons de roupas em troca de alimentação, itens de higiene, etc.


O Reaproveitamento de Materiais 

Uma prática que se tornou subterfúgio para driblar a escassez de roupas foi o faça-você-mesmo. Diversas revistas destinadas ao público feminino ensinavam a reutilizar materiais caseiros. Objetos sem importância poderiam facilmente se tornar casquetes, por exemplo.

História da Moda Anos 40
Foto: Reprodução.

Essas revistas também ensinavam a bordar, fazer crochê, tricô e algumas vinham acompanhadas com moldes de roupas.

Pessoas que sabiam costurar gastavam seus cupons para comprar tecidos e aviamentos. Quem não possuía tais habilidades se matriculava em cursos de corte e costura.




O Fortalecimento dos Brechós

Por muito tempo comprar roupas usadas foi considerado humilhante. Peças de segunda mão eram tidas como de má qualidade e aspecto feio. Quem comprava peças usadas era visto com maus olhos, pois era considerado muito pobre. No entanto, essa percepção mudou drasticamente nos anos 40.

Moda Nos Anos 40
Foto: Reprodução.

Diversas lojas com roupas de segunda-mão começaram a aparecer, elas se tornaram a melhor saída para as classes mais desfavorecidas.

Estadunidenses chegaram a fazer doações de vestidos de noivas para que as inglesas pudessem manter de pé a tradição do traje branco. 




Cartela de Cores das Roupas na Inglaterra

As cores das roupas na Inglaterra variavam de acordo com a disponibilidade de pigmentos. Na primeira metade da década de 1940, as roupas eram na maioria das vezes em tons sóbrios, como preto, azul marinho, bege, marrom e cinza.

Foto: Reprodução.

Uma outra explicação para a cartela de cores limitada é o fato das roupas utilitárias serem feitas para durarem muitas estações, por isso as cores  precisavam ser democráticas e atemporais.

Estampas mirabolantes foram substituídas por padrões florais pequenos e listras.

Foto: Reprodução.

Os Calçados - Uma Problemática na Moda dos Anos 40

Os sapatos foram um grande problema nessa época, sua matéria-prima, o couro foi empregado para fins de guerra, e teve de ser substituído. A alternativa encontrada foi a madeira, ela era barata e não estava em falta.

Foto: Reprodução. Sapato de madeira dos anos 40.

Sapatos de madeira foram feitos, mas não caíram no gosto popular, que só os aceitavam por estarem em um momento bastante delicado. 

Foto: Propagandas de sapato dos anos 40.

Designers ao redor do mundo se esforçaram para criar modelos sofisticados e desejáveis, atrizes de Hollywood apareciam com calçados de madeira, mas nada foi o bastante para que as pessoas gostassem deles.

Foto: Reprodução.

O Reino Unido passou a destinar uma parte da borracha produzida para os calçados e reforçou a fabricação dos mesmos, para que sua vida útil se estendesse.


As Bolsas na Década de 1940

Até 1930 a moda era bolsas pequenas e delicadas. Nos anos 40 bolsas femininas se tornaram bastante diferentes.

Com a inserção de um maior número de mulheres no mercado de trabalho, elas passaram a estar mais tempo nas ruas e precisavam de bolsas que suportassem mais objetos. Os modelos pequenos eram pouco funcionais e resistentes.

Foto: Reprodução. Catálogo com bolsas na década de 1940.

Um estilo muito popular de bolsa foi o modelo maleta. Mesmo com a escassez do couro, parte dele foi utilizado em bolsas. 

Foto: O tricô e crochê estiveram presentes nessa época.

Bolsas de tecidos e crochê também eram populares, e muitas eram ensinadas em revistas de artesanato e moda. Para ler mais sobre as bolsas em 1940, clique aqui. 

No final da década de 40, bolsas de acrílico, conhecidas como Lucite Purse roubaram a cena. 


Os Acessórios de Cabelo

Com uma moda simples em termos de roupas, coube aos acessórios o objetivo de trazer vivacidade aos visuais. O principal acessório da época foi a casquete, espécie de chapéu, geralmente usada na frente da cabeça. A maioria das casquetes eram feitas em casa com materiais reaproveitados.

Foto: Reprodução. 

Além das casquetes, o turbante também foi usado largamente. Em países onde a indústria de shampoo e condicionador ficou paralisada, serviu para que as mulheres pudessem esconder os cabelos sujos.

Mulheres que trabalhavam em indústrias, obrigatoriamente deveriam usar os cabelos presos, isso foi regra tanto na Inglaterra como em outros países. Um desses países foi o Estados Unidos, que em 1942 usou a atriz Veronica Lake em um vídeo campanha que visava estimular o uso do cabelo preso.

Foto: Reprodução. 

Veronica, no início dos anos 40 usava um penteado muito cobiçado que ficou conhecido como peak-a-boo (para saber mais sobre clique aqui). A característica do penteado era uma mecha solta em um dos lados do rosto, por cima dos olhos. 

História da Moda Anos 40
Foto: Reprodução. Veronica Lake.

Em pouco tempo, o penteado de Veronica se tornou sensação, mas também ocasionou alguns acidentes de trabalho, porque os fios soltos se prendiam facilmente nas engrenagens.


A Maquiagem na Inglaterra na Década de 40

Algumas pessoas acreditavam que o vestuário de características masculinas e sem os elementos que remetiam ao universo feminino poderiam "masculinizar" as mulheres, o governo passou então a incentivar o uso de cosméticos.

História da Maquiagem Anos 40

Foto: Reprodução. Propaganda de batom usando o patriotismo.

A Inglaterra em alguns momentos teve sua indústria de maquiagens comprometida, mas fez o que pode para mantê-las em pé, além de ter importado cosméticos do Estados Unidos. A marca favorita das mulheres era a Max Factor. 

História da Maquiagem Anos 40
Foto: Reprodução. 

Campanhas publicitárias de maquiagens se tornaram um meio de engajar as mulheres na guerra. Um batom muito popular foi o Victory Red, ou em português, Vermelho da Vitória.

Para ler mais sobre a maquiagem dos anos 40 clique aqui.


A Silhueta das Roupas em 1940

A Silhueta na moda de 1940, tanto em países de racionamento como em outros, foi marcada pelo destaque nos ombros, essa característica foi inspirada nos uniformes militares da época. 

A cintura era ajustada e as saias retas, com pouco volume. Costumamos dizer que a silhueta era em formato de Y. 

Para ler mais sobre a história das silhuetas, clique aqui. 

História da Moda Nos Anos 40
Foto: Reprodução. 

Consequências da Moda Utilitária no Pós-Guerra

O sistema utilitário teve fim oficial no ano de 1949, entretanto roupas com as especificações funcionais foram produzidas até 1952.

A vivência do racionamento fez com que as pessoas se tornassem mais críticas em relação ao consumo de roupas. Os ingleses em especial, passaram a valorizar sobretudo a durabilidade das peças e não apenas a sua beleza.

Informações do curso aqui.



Texto escrito por Gabriela Lira.Caso use o texto como referência, por favor dê os créditos ao blog. Plágio é crime e está sujeito à pena!

Quer que eu escreva pra você? Mande um e-mail para missblondevenus@gmail.com ou entre em contato através do Instagram @blondevennus. 

Fontes
A Moda na Década de 1940, edição de 2014, Publifolha. Charlotte Fiell e Emmanuelle Direx.

Fashion in The 1940s, Shire Publications, 2014 - Jayne Shrimpton.

Fashions of A Decade: 1940, Facts on File, 1992 - Patricia Baker. 

2 comentários:

Unknown disse...

Ameiii 💕

Gabriela Lira disse...

Feliz que gostou 🖤

Tecnologia do Blogger.